Categoria Administração

porWemerson Marinho

Entendendo um pouco de nossa sociedade líquida

Um dos principais pensadores do nosso tempo é Zygmunt Bauman um sociólogo polonês que desenvolveu o conceito de modernidade liquida para explicar o nosso momento atual.

Segundo ele nossa época, a qual chama de mundo líquido, é um tempo de liquidez, de fluidez, de volatilidade, de incerteza e insegurança. Toda a fixidez e referências morais da época anterior são retiradas do palco para dar espaço à logica do agora, do prazer, do consumo e da artificialidade.

Entender esse tempo nos ajuda a compreender que nada é fixo mais. Todas as relações estão mudando. O emprego já não possui mais segurança. São de natureza mais temporal, de meia jornada, baseado na relação empregado-empregador diretamente como pessoas jurídicas, por exemplo. E nasce a figura do desempregado crônico.

Nas relações pessoais predomina-se o a conexão, o sentido de amigo é ressignificado. As relações são cada vez mais frágeis. Um exemplo disso é o facebook onde pessoas ostentam ter  1000 amigos hoje, amanhã perde 5 e passa a ter 995 e no outro dia ganha mais 6 e agora tem 1001. Ou seja, no conceito anterior era chamado de amigo aquele com o qual possuímos uma relação de proximidade, de companheirismo, de confidencialidade, de boas conversas. Hoje, no entanto, é apenas alguém com quem me conecto e do qual posso me desconectar a qualquer momento sem traumas.  Acabar uma  amizade antes era algo muito difícil e que geralmente nos deixava muito constrangidos, hoje se resume a desconectar-se de alguém.

Essa relação frágil tem como pressuposto a transformação do ser humano em mercadoria que pode ser consumido e descartado ou excluído quando não serve mais. Nessa direção a pessoa perde seus referenciais de ação e tudo se passa como se fosse uma questão de escolher a melhor opção, com as melhores vantagens e, de preferência, nenhuma desvantagem.

O casamento, símbolo de uma relação estável, que levavam as pessoas ao altar para afirmarem umas às outras que estariam juntas até que a morte  viesse, perde o sentido. Por essa razão que existem tantos divórcios e que expressões como “ficar” vem se tornando comum.

No “ficar” revela-se a mentalidade que o outro é apenas um produto do qual busco o prazer, mas sem querer comprometimento. Relação sem compromisso. Sexo sem compromisso.

A modernidade líquida é uma leitura de nossos dias que nos permitem entender as razões de muitas coisas que nos acontecem. O ser humano se sente em relação à vida como um cliente frente às diversificadas opções de um supermercado. Ele endeusa se individualismo tratando tudo fora de si como objeto de consumo e exercendo o que ele entende como liberdade de escolha entre as muitas opções o mercado da vida oferece.

Não sabemos aonde isso vai nos levar, mas já percebemos que as pessoas estão se sentindo cada vez mais vazios. Isso porque o ser humano necessita de relações reais e não das artificiais como as virtuais. A sensação de liberdade plena de fazer o que acha certo sem se seguir uma direção nos frustra porque nos parece que o ser humano tem a necessidade de seguir algo maior do que ele. O relativismo moral promove a insegurança, mas a segurança é um elemento essencial para a felicidade humana.

Por isso, vemos o crescimento efervescente do fundamentalismo religioso. Não sabendo lidar com as necessidades expostas acima e não tendo referências firmes, muitos resolvem a tensão internas agarrando ao que faz sentido pra elas naquele momento. Daí alguns assumirem comportamentos, estilos de vida, crenças religiosas estranhas.

Penso que uma solução inicial seria tomar consciência das características do tempo. Busque encontrar alguma solidez na sua crença, nos seus valores e não suas convicções sem se tornar intolerante com os que não entendem o mundo da mesma forma.

E não existe caminho definido nessa experiência, o caminho será feito enquanto caminhamos.

Wemerson Marinho

 

 

porWemerson Marinho

Exercendo o Empoderamento Pessoal no dia a dia

Empoderamento pessoal. Uma expressão bastante comum atualmente.

Nas minhas andanças como jornalista, ouvia uma parecida: Protagonismo Pessoal. No caso específico, a ideia era promover condições para os cidadãos e artistas da periferia mostrarem sua arte e seu valor e mostrar como poderiam fazer a diferença naquela realidade tão dura, na maioria das vezes.

Quando conheci o coach, como coachee no começo e depois como coach, passei a ouvir Empoderamento Pessoal, além, claro, de ouvir isso nas questões relacionadas à maternidade e universo feminino. Sim, sim. Sou essencialmente uma mãe que trabalha e estou inserida nesse universo também.

Na verdade, o que vejo hoje nas minhas experiências pessoais e profissionais é que Protagonismo e Empoderamento são termos muito próximos, cujo sentido só se completa com a Organização Pessoal Interna, através do autoconhecimento. Traduzindo: Ser uma pessoa Empoderada, ter o poder de decidir a própria vida sem contar com a aprovação alheia e construir a sua história, sendo Protagonista e não coadjuvante, só é possível quando nosso autoconhecimento permite o mínimo de Organização.

Hoje atendi uma cliente que quer empreender e não sabe por onde começar. Em uma trajetória relacionada à minha expertise, lembrei a ela que é fundamental definir público e serviços, porém com a observação de que para isso é basilar saber qual objetivo com o negócio e as possibilidades reais de prestação de serviços ela tem, baseada nos desejos dela atualmente. Para ela saber o que está dentro das possibilidades pessoais e familiares dela hoje, para prestar serviços, é necessário se autoconhecer.

O Autoconhecimento é a chave para a Organização Pessoal. Apenas com o desenvolvimento dele podemos saber e dizer claramente o que queremos ou não, e de forma empoderada e protagonista, assumir as consequências das escolhas cujo risco já foi calculado (ou deveria ter sido, pelo menos).

Para exercitar o empoderamento, informação é fundamental, independentemente do tema. Ela propiciará a consciência sobre as escolhas, os ônus e bônus, causas e consequências de optar por aquele caminho e não por outro.

Quando exercemos o empoderamento, o protagonismo vem sabermos o que estamos fazendo. Qual a melhor fonte de informação para as nossas escolhas que não seja nós mesmos? Com autoconhecimento, comparamos o universo de possibilidades com nossa essência, sonhos e objetivos. Aí sim poderemos traçar metas, planos e projetos a curto, médio e longo prazo e assumir de peito aberto o que deles vierem.

Joana D'arc Souza - Consultora e Coach de Organização Pessoal
porWemerson Marinho

Teorias da Administração: O Guia Completo!

Teorias da administração e suas variáveis

É sabido que a administração possui uma grande amplitude de matérias, o que faz com que a disciplina receba diferentes contribuições, bem como possui diferentes autores e os mais variados enfoques. Todas as teorias da administração são válidas, apesar de que cada autor valoriza uma ou mais variáveis de sua própria teoria. De fato, é correto afirmar que cada conceito surgiu como uma resposta para os problemas industriais e corporativos de sua época, mas também é certo dizer que todas foram muito bem-sucedidas ao apresentarem soluções específicas para os problemas enfrentados.

É correto dizer que todas as teorias administrativas são aplicáveis ás situações corporativas do mundo moderno e o administrador precisa conhecê-las bem, para ter a sua disposição anos de conhecimento que irão lhe proporcionar alternativas adequadas para a solução dos problemas. Na administração existem seis variáveis fundamentais, que são: a tarefa, estrutura, pessoas, tecnologia, ambiente e competitividade. O comportamento desses componentes é sistêmico e bastante complexo, onde cada um influencia e é influenciado pelos outros. As teorias da administração existem justamente para ajudar no entendimento e integração dessas variáveis. Esse é o principal desafio da administração de empresas.As principais teorias da administração, escolas e autores

1. Administração Científica (1903): Também conhecida como Taylorismo, a administração científica foi criada por Frederick Winslow Taylor e se baseia na aplicação do método científico na administração. Ela faz parte da escola clássica da administração e possui ênfase nas tarefas, buscando a racionalização do trabalho no nível operacional, ou seja, visa garantir o melhor custo/benefício aos sistemas produtivos. Taylor propôs a racionalização do trabalho por meio do estudo dos tempos e movimentos, o qual possuía cinco princípios fundamentais, que são: planejamento, preparo, execução, cargos e tarefas e padronização.2. Teoria da Burocracia (1909): Seu autor foi Max Weber, um jurista e economista alemão que também é considerado um dos fundadores da sociologia. A teoria da burocracia de Weber possui fundamentos na racionalidade, o qual visa a análise de maneira formal e impessoal. Essa teoria possui grande ênfase na eficiência e eficácia, apresentando relações mais autoritárias e normativas. Dentre suas principais características podemos destacar: a autoridade, formalidade, impessoalidade, hierarquia e divisão do trabalho.3. Teoria Clássica (1916): Também conhecida por Fayolismo, a teoria clássica surgiu na Europa junto com o advento da Revolução Industrial. Ela foi idealizada por Henri Fayol e se caracterizava pela ênfase na estrutura organizacional, pela busca da máxima eficiência e pela visão do homem econômico. Junto com sua teoria, Fayol também elencou 14 princípios que para ele eram fundamentais. Foram eles: divisão do trabalho, autoridade e responsabilidade, unidade de comando, unidade de direção, disciplina, remuneração, interesses gerais, centralização, hierarquia, ordem, equidade, estabilidade, iniciativa e espírito de equipe.4. Teoria das Relações Humanas (1932): Trata-se de um conjunto de teorias administrativas que ganharam força com a Grande Depressão. Teve origem nos Estados Unidos, como resultado da experiência de Hawthorne, liderada por Elton Mayo. A teoria das relações humanas ganhou força a partir do momento em que o “homo economicus” começou a sair de cena, passando a ser visto como “homo social”. Ela possui três características principais, que são: o ser humano não possui comportamento mecânico, o homem é guiado pelo sistema social e possui necessidades (segurança, afeto, aprovação, etc.). 5. Teoria Estruturalista (1947): Surgiu por volta da década de 1950, como desdobramento das análises de autores que tentaram conciliar as teses da teoria burocrática de Weber, com a teoria clássica e também das relações humanas. O principal objetivo dessa teoria é o de inter-relacionar a organização com seu ambiente e com outras organizações. Dessa maneira, surgiu um novo foco, o Homem Organizacional, que possui características modernas, como flexibilidade, tolerância, desejo de realização, entre outros. Importante citar também que o estruturalismo trouxe consigo outro importante conceito da administração – a reengenharia.6. Teoria dos Sistemas (1951): Mais conhecida pela sigla TGS. A teoria dos sistemas é uma abordagem multidisciplinar, que busca entender as propriedades comuns em distintas organizações. Foi desenvolvida em meados da década de 50, através dos trabalhos do biólogo austríaco Ludwig von Bertalanffy. A TGS não busca solucionar problemas, mas sim produzir teorias que criem condições aplicáveis na realidade empírica. Para ela, o sistema é um conjunto de partes interdependentes que juntos formam um todo unitário, com um mesmo objetivo e função. 7. Abordagem Sociotécnica (1953): Também conhecido como sistema sociotécnico, ou pela sigla STS. É uma abordagem que reconhece a interação entre as pessoas e a tecnologia existente nas organizações, como também entre as estruturas da sociedade e o comportamento humano. O termo foi elaborado durante a Segunda Guerra Mundial, pelos cientistas Eric Trist, Fred Emery e Ken Bamforth. Essa abordagem possui quatro princípios centrais, que são: a autonomia responsável, adaptabilidade, tarefas inteiras e o significado da tarefa. Juntas visam otimizar a produtividade e o bem-estar dentro das organizações.8. Teoria Neoclássica (1954): É considerada como um conjunto de teorias que surgiram durante a década de 1950. Curiosamente, essas teorias da administração buscavam retomar alguns conceitos e abordagens clássicas, possuindo como principal referência Peter Drucker, William Newman, Louis Allen, Ernest Dale, entre outros autores. Dentre os principais conceitos da teoria neoclássica, nós temos a reafirmação das teorias clássicas, a ênfase na prática administrativa, na gestão, nos objetivos e também nos resultados.9. Teoria Comportamental (1957): Teve início em 1947, com o surgimento do livro “teoria comportamental na administração: o comportamento administrativo”, que se firmou apenas dez anos depois. A teoria comportamental, ou behaviorista trouxe uma nova concepção dentro da teoria administrativa. Ela veio como uma crítica aos princípios da teoria clássica e à teoria das relações humanas. Dentre suas principais características nós temos a ênfase nas pessoas, a preocupação com o comportamento organizacional e os processos de trabalho e o estudo sobre a motivação humana (teoria de Maslow).10. Desenvolvimento Organizacional (1962): Essa teoria é um desdobramento prático e operacional da teoria comportamental, partindo mais para o lado da abordagem sistêmica. O principal autor deste movimento foi Leland Bradford, que indica a teoria como a fusão de duas tendências nas organizações- o estudo da estrutura e o estudo do comportamento. A teoria do desenvolvimento organizacional possui como características: os processos grupais, orientação sistêmica abrangente, orientação contingencial, retroação de dados, solução de problemas e a interação.11. Teoria da Contingência (1972): Também conhecida como teoria contingencial. Dentre as teorias da administração é o ramo que enfatiza a relatividade, ou seja, não existe nada de absoluto nas organizações ou na própria teoria administrativa. Para ela tudo é relativo, tudo depende. A teoria da contingência nasceu de uma série de pesquisas realizadas nas décadas de 1960-70. As pesquisas buscavam entender os modelos de estruturas organizacionais e a eficácia em determinados tipos de indústrias. Alfred D. Chandler, T. Burns e G. Stalker são alguns dos autores da teoria contingencial.12. Novas Abordagens (1990): Como toda ciência, a administração também passou por diversas mudanças e atualizações ao longo de sua existência. E dois fatores contribuíram fortemente para isso, sendo eles: o avanço tecnológico e a concorrência global (globalização). Com a evolução das organizações, estas foram obrigadas a implementarem novos recursos, novos modelos de produção, conceitos de qualidade total, sistemas de programação, novas filosofias e também da própria cultura administrativa. Dentro desse turbulento ambiente, podemos ter certeza que a teoria administrativa continuará a ter grande mudanças à frente.Conclusão – Teorias da Administração
Na medida em que a ciência da administração encara novos problemas e situações, suas teorias precisam adaptar suas abordagens a fim de mantê-las úteis e aplicáveis no mercado. As teorias da administração continuam se ampliando e expandindo, levando o aluno a ter certa dificuldade em se familiarizar com os assuntos tratados pela administração. Pode-se afirmar que a administração é um fenômeno global do mundo moderno, onde cada organização requer o alcance de objetivos dentro de um cenário de alta concorrência. A partir disso, as teorias da disciplina que antes possuíam ênfase apenas nas tarefas, ampliaram seu escopo, englobando diversos outros aspectos do mundo corporativo.
Após a ênfase nas tarefas, as teorias administrativas passaram a ter destaque na estrutura, seguindo posteriormente para uma reação mais humanística, com fundamentos e estudos sobre o comportamento humano inserido no meio corporativo. A partir disso, as teorias da administração passaram a visualizar de maneira mais ampla o ambiente, buscando entendê-lo e aprimorá-lo em prol das organizações. E somente após o passar dos anos e o desenvolvimento de sistemas e equipamentos mais complexos, é que as teorias da administração começaram a ter ênfase na tecnologia, uma vez que o mundo globalizado mostrou a emergente necessidade das corporações de se transformarem.Até a próxima pessoal!Autor: Filipe BezerraReferências Bibliográficas:MAXIMIANO, Amaru. Teoria Geral da Administração. Atlas, 2012CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a Teoria Geral da Administração. Elsevier, 2004.—–

Source: Administração

porWemerson Marinho

Como fazer citação de site e artigo da internet

Saiba como fazer citação de site e artigo da internet

Nós utilizamos o computador e a internet para praticamente tudo em nossas vidas nos dias atuais. O uso dessas ferramentas para realização de trabalhos acadêmicos virou prática mais do que cotidiana. Pode-se afirmar que a internet é uma fonte praticamente inesgotável de informações e referências, informações estas que diversas pessoas, estudantes, professores fazem uso em seus trabalhos e pesquisas. Por esse motivo, é bastante comum existirem dúvidas de como fazer citação de site e artigo da internet.

Além dos livros, a internet se mostra uma grande aliada dos estudantes ao ser utilizada como fonte de pesquisa de citações usadas para sustentar os argumentos de uma tese. Porém, da mesma maneira que as informações existentes em livros e artigos são protegidos por direitos autorais, muitos dos conteúdos existentes na internet também o são, e por isso o estudante precisa ter ciência de como fazer citação de site e artigo da internet da maneira correta, sem infringir nenhum direito ou prejuízo à terceiro.

Erros ao se fazer citação de site e artigo da internet

Devido a grande facilidade de se encontrar informações na internet muitos alunos, ou até mesmo professores cometem alguns equívocos ao fazer citação de site e artigo da internet. Logo abaixo, ilustro dois dos principais erros.

1. Não citar o artigo da internet: diversas pessoas que por não entenderem corretamente como fazer citação de site ou artigo da internet simplesmente não utilizam dos conteúdos disponíveis na web, ou por terem medo de estarem “copiando” o trabalho de outra pessoa, ou por insegurança de que isso irá prejudicá-los em seu próprio trabalho acadêmico.

2. Copiar o artigo da internet: ao contrário dos que possuem insegurança de utilizar a internet para citar seus trabalhos acadêmicos, também existem os alunos que simplesmente copiam e colam o texto sem citar fonte ou solicitar permissão ao autor do texto. Essa é uma prática que diversas pessoas fazem uso, e que pode acabar prejudicando todo o trabalho.

Normas ABNT ao fazer citação de site e artigo da internet

Sendo assim, deixando bem claro, você pode utilizar à vontade parte de outros textos e artigos, sejam ele da internet ou não. Porém é extremamente importante ter ciência que você deve e precisa referenciar o site ou qualquer que seja a fonte. Dito isso, logo abaixo nós veremos como fazer citação de site e artigo da internet de acordo com as normas da ABNT, seguindo tudo nos mais conformes dos detalhes.

1. Qualidade: atualmente existem informações sobre praticamente tudo na internet. Contudo, o aluno deve ter total ciência de que nem tudo que está publicado na web, deve ser citado em trabalhos acadêmicos. É de extrema importância verificar a credibilidade do site, bem como do autor do texto. Alguns sites da internet podem servir maravilhosamente bem como fontes de leitura, porém não devem ser citados em seu trabalho caso a fonte não seja realmente segura.

2. Autores: O mais recomendável é citar artigo da internet apenas quando se tem 100% de certeza sobre o autor da publicação. Dessa forma você irá manter a credibilidade do seu trabalho à citação e também ao seu trabalho acadêmico. Caso o artigo não possua o autor do texto, você pode até utilizar como fonte de leitura, mas não é recomendado utilizá-lo como citações em seu trabalho.

Exemplo de citações de autores:

“A editora Aprax Editora lançou, com apoio do Conselho Regional de Administração de São Paulo (CRA-SP).” (CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO, 2017)

Na referência:
CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO. Administrador moderno. Disponível em:
. Acesso em: 20 de nov. 2017.

3. Data: Ao contrário dos livros, que após a publicação existem para todo o sempre, novos artigos e textos da internet surgem e desaparecem todos os dias. Por esse motivo, é muito importante o aluno verificar a “estabilidade do site”, uma vez que aquele artigo que fora utilizado como referência pode simplesmente sumir do mapa (basta o autor remover de seu site). Além do autor, título e data, deve-se colocar a data de acesso à pagina, deixando claro que naquele dia o texto existia.

Exemplo de citações de data:

“O uso dessas ferramentas para realização de trabalhos acadêmicos virou prática mais do que cotidiana.” (ARAUJO, 2017)

Nas referências:
ARAUJO, Fabio. Como fazer citações da internet, 2017. Disponível em http://www.portal-administracao.com/2017/08/como-fazer-citacao-referencia-site-artigo.html. Acesso em: 20 de ago. 2017.

OBS: Para os artigos que não possuírem data, a NBR 6023 (2002) em seu título 8.6, sugere, no item 8.6.2, que se utilize uma data aproximada entre colchetes. Exemplo: (AUTOR, [205-?]).

Referências ao fazer citação de site e artigo da internet

É comum existirem queixas de que algumas faculdades não passam de maneira concreta as orientações quanto à metodologia de pesquisa, citações e até mesmo a elaboração do texto. Existe tanto foco em relação às regras da abnt que esses pontos acabam sendo deixados de lado. Muitos dos alunos que procuram saber como fazer citação de site e artigo da internet passam por esse tipo de dificuldade. Importante saber que mesmo seguindo a NBR 6023 e todas suas exigências para referências de artigos eletrônicos, podem existir diferentes solicitações dependendo da instituição de ensino da qual o aluno faça parte.

Outro ponto de observação, é o fato de que alguns artigos possuem mais de uma página e a citação do site pode ter sido fora da primeira página. Válido lembrar também que em algumas instituições pode-se utilizar da marcação n.p para identificar a falta de página. Espero que com as dicas acima tenha ficado mais claro sobre como fazer citação de site e artigo da internet, uma vez que a utilização de citações não deve ser considerada uma cópia, mas sim como fatores que enriquecem seu texto. Por isso nunca deixe de fazer uso de citações de sites em seus trabalhos. 

Bom, é isso aí pessoal! Até a próxima.

Source: Administração

porWemerson Marinho

Quais são as 3 habilidades do administrador?

O profissional administrador de empresas

Nos dias atuais a administração revela-se como uma ciência humana repleta de complexidade e desafios. Os profissionais formados em administração podem atuar nos mais variados segmentos do mercado, bem como em diversos níveis dentro de uma organização – tudo isso devido a ótima amplitude proporcionada pelo curso. Em função das características que cada organização possui, o administrador define estratégias, resolve problemas, efetua diagnósticos e também gera inovação e competitividade para a empresa.

Toda empresa quando pretende incluir um novo executivo, ou até mesmo repor uma vaga importante para a organização, submetem os candidatos a uma infinidade de testes, ao mesmo tempo em que investigam as qualidades e competências do futuro colaborador. Além dos conhecimentos técnicos e habilidades, também são avaliados outros aspectos, como a atitudes, as características de personalidade, o passado, formação, histórico em outras empresas, etc. A finalidade é verificar se suas qualidades se conciliam com a cultura organizacional, com seu futuro ambiente e também com as pessoas com quem vai trabalhar.

As habilidades essenciais do administrador

Segundo Katz, o sucesso do administrador moderno depende mais do que ele consegue fazer, do que daquilo que ele é. Seu desempenho será resultado das habilidades que possui, uma vez que uma habilidade é a capacidade de transformar conhecimento em ação e que resulta em um desempenho desejado. Para ele existem três tipos essenciais para o bom desempenho do administrador. São elas: as habilidades técnicas, humanas e conceituais.

1. Habilidades Técnicas: são as habilidades que envolvem o uso de conhecimento especializado, ou ainda pode ser considerado como a facilidade do administrador de executar técnicas relacionadas ao trabalho. Como exemplo, temos habilidades específicas em gestão de projetos, recursos, finanças, produção, logística, entre outros. É a habilidade que está relacionada ao fazer.

2. Habilidades Humanas: se categorizam como habilidades inerentes ao administrador. Estão relacionadas ao trabalho com pessoas e se referem à facilidade de utilizar o relacionamento interpessoal, ou trabalho em equipe. Essa habilidade envolve a capacidade de se comunicar, motivar, coordenar, liderar e resolver conflitos pessoais ou em grupos. É a habilidade relacionada à interação.

3. Habilidades Conceituais: são as habilidades que envolvem a visão da unidade organização, ou da empresa como um todo. Pode ser considerado como a facilidade em trabalhar com conceitos, teorias e ideias. Um administrador com habilidade conceitual está apto para compreender as várias funções da organização, otimizá-las e auxiliar no relacionamento da companhia com seu ambiente. É a habilidade que está relacionada ao pensar, ao raciocínio.

As competências duráveis de um bom administrador

Todos sabem que atualmente a concorrência no mercado está bastante acirrada. Por isso a combinação das habilidades citadas acima é de suma importância para o administrador, uma vez que auxilia na estabilidade do cargo e proporciona maior crescimento dentro da organização. O profissional precisa entender que seu capital intelectual e interpessoal são suas maiores riquezas. Para Chiavenato, o administrador precisa ir além das habilidades técnicas, humanas e conceituais, sendo necessário desenvolver também três competências que ele nomeia de duráveis. São elas: o conhecimento, a perspectiva e a atitude.

1. Conhecimento: é a competência que reflete todo o acervo de informações, experiências, conceitos, especialidades e ideias que o administrador possui. Como o conhecimento é mutável, o profissional de administração de empresas precisa atualizar-se constantemente, renovando suas capacidades de maneira contínua – como se funcionasse feito um Ciclo PDCA pessoal (que nunca para de girar). Isso significa aprender, se reciclar, relacionar-se continuamente, a fim de não se tornar obsoleto e desnecessário para a empresa e seu negócio.

2. Perspectiva: pode ser considerada como a capacidade de se colocar o conhecimento em ação, ou seja, saber transformar a teoria em prática. É importante que o administrador saiba que não é o suficiente apenas ter o conhecimento, saber a teoria, mas sim ter a capacidade e o know-how de como colocá-lo em prática, ou aplicá-lo nas mais diversas situações. A perspectiva representa a competência de saber diagnosticar situações e perceber oportunidades que nem sempre são identificadas pelas pessoas comuns. É a perspectiva que dá independência e autonomia ao administrador na execução de suas atividades.

3. Atitude: essa é uma característica um pouco especial. Ela significa o comportamento pessoal do administrador frente às situações do dia a dia. A atitude representa o estilo pessoal do funcionário de fazer as coisas, de lidar com um problema, sua maneira de liderar, de motivar, de se comunicar, etc. Essa competência envolve o impulso e o espírito de inovar, empreender, ser inconformista e não ficar parado na zona de conforto. Esta é a competência durável que transforma o administrador é um agente de mudança dentro da organização.

Conclusão – Quais são as 3 Habilidades do administrador

Mas afinal, como saber qual das habilidades ou competências é a mais importante? Sem dúvida, o ideal seria a junção de todas, o que proporcionaria para a organização o tão sonhado “profissional perfeito”. Mas todos sabemos, que por mais que tentemos otimizar nossas características, sempre irão existir lacunas e alguns aspectos, por exemplo, existem administradores com ótima capacidade técnica, mas que pecam em quesitos interpessoais, e vice-versa. Porém, no quesito competência, para o autor responsável por elencá-las, a mais importante é a atitude. Para Chiavenato, o administrador precisar ser o agente da mudança, onde seu principal produto é a inovação.

Na verdade, administrar é muito mais do que uma mera função corporativa, de cursos e atividades. Quando as situações difíceis e problemas surgem no ambiente de negócios, trata-se não apenas de saber manter a calma e possuir resiliência, mas de ter a capacidade para inovar e renovar continuamente as soluções aplicadas pela empresa. O papel do administrador em época de mudanças e instabilidade deve e precisa ser o de agente inovador. Na administração, o profissional precisa ter as qualidades condizentes com a empresa, que irão auxiliar a mesma na obtenção de seus objetivos e ampliação na participação de mercado.Bom, é isso aí pessoal! Até a próxima.Autor: Filipe BezerraReferências Bibliográficas:MAXIMIANO, Amaru. Teoria Geral da Administração. Atlas, 2012CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a Teoria Geral da Administração. Elsevier, 2004.—–

Source: Administração

porWemerson Marinho

Peter Drucker, o pai da administração moderna

Quem foi Peter Drucker?

Peter Drucker, nasceu em 1909, em Viena, na Áustria. Seus conhecimentos sobre a ciência da administração teve início ainda com seus pais, que costumavam realizar encontros com famosos personagens políticos e econômicos da época. Quando adulto, formou-se em Frankfurt, na Alemanha, onde realizou o doutorado em Direito Público Internacional na universidade da cidade. Com o tempo, passou a viver em Londres onde trabalhou como economista e jornalista durante anos. Em 1937, mudou-se para os Estados Unidos, atuando como correspondente do jornal de economia Financial Times.

Por fim, em 1971, ingressou como professor na Claremont Graduate University, onde lecionou por 30 anos. Peter Drucker foi um renomado escritor, professor e consultor administrativo. Considerado por muitos, o pai da administração moderna, ele era o autor mais reconhecido dentre os que estudavam os efeitos da globalização na economia em geral e em particular nas organizações. Drucker enxergava a administração de empresas como uma ciência que trata das pessoas nas organizações e também como a principal ferramenta da sociedade moderna. Seu estilo era único e foi considerado o seu mais importante diferencial.
A importância de Peter Drucker para a administração

Peter Drucker não é considerado o pai da administração moderna à toa. O seu legado nessa área de estudo é extraordinário. Drucker teve uma longa e extensa carreira como especialista em gestão e negócios, escrevendo ao todo mais de 30 livros, que juntos desencadearam uma revolução única na maneira de gerir uma organização. Ele introduziu aos negócios a ideia de descentralização, invertendo a forma que os líderes enxergavam os trabalhadores.

Ao definir a administração de empresas, como uma disciplina, Peter Drucker a declarou como uma ciência prática e humanista, a qual não se restringia apenas às questões corporativas, mas que procurava englobar fundamentos da teoria política, psicológica, filosófica, econômica, histórica, matemática, entre outras. Drucker se descrevia como um “ecologista social”, que extraía conhecimento da observação humana e afirmava que as teorias não tinham vida sem a perspicácia da comunicação.

Ao longo de mais de 70 anos, as contribuições de Drucker influenciaram milhares de pessoas, incluindo grandes nomes da atualidade. Bill Gates (fundador da Microsoft) e Henry Ford (fundador da Ford Motors), foram alguns dos nomes que encontraram nos livros do economista austríaco inspiração para compreender as tendências da economia mundial. Dentre suas principais obras, destacam-se os livros Administrando em Tempos de Grandes Mudanças, Tecnologia, Administração e Sociedade, O Executivo Efetivo e Administrando para o futuro. Até hoje, suas teorias são consideradas divisores de águas na administração.

Estilo de abordagem e a Administração Neoclássica de Drucker

O autor costumava dizer que suas obras não possuíam validade de longo prazo, mas que o mais importante era o modo como procurava se comunicar com as pessoas. Drucker afirmava ainda que a empresa que conseguia vender seus produtos e serviços para o cliente certo, no momento ideal, na medida adequada e ao preço correto, teria seus esforços de venda reduzidos, pois o processo atingiria um nível automático, uma vez que a demanda foi devidamente equacionada e trabalhada.Considerados por muitos o maior guru da administração moderna, pode-se afirmar que não existe teoria da administração atual que não tenha origem nas obras de Peter Drucker. Ele trabalhou de maneira minuciosa os possíveis cenários de negócios, sendo influenciado pela análise das tendências mais marcantes e pelos resultados lógicos conforme apresentavam semelhanças com acontecimentos já ocorridos na história.Peter Drucker nos trouxe uma das suas mais impressionantes ideias no livro Administração na próxima sociedade, onde expunha que teremos um aumento da mobilidade social a partir do acesso à educação formal. Outro ponto interessante de sua teoria era a existência de duas forças distintas de trabalho, as de pessoas abaixo e acima de 50 anos. Drucker também iniciou o conceito de reprivatizações, que significava a privatização dos serviços públicos com o intuito de reduzir a burocracia atrelados à eles.

Conclusão – Peter Drucker, o pai da administração moderna
De maneira resumida, Peter Drucker enxergava a administração como uma ciência interligada à diversas matérias, das quais extraía conhecimentos valiosos que agregavam aos mais diversos âmbitos da disciplina. No auge da popularidade e também em uma de suas frases mais icônicas, afirmou que nenhuma instituição poderia sobreviver se precisasse apenas de gênios para serem administradas, pois toda organização deveria estar organizada ao ponto de ser capaz de seguir em frente sob uma liderança composta de seres humanos com conhecimentos e personalidades diferentes.

Além dos principais conceitos citados ao longo do texto, Drucker também introduziu no mundo moderno a administração por objetivos, que era caracterizada como um método otimizado de planejamento e avaliação, baseado em fatores quantitativos. O autor foi uma pessoa além de seu tempo, inovando e reforçando a necessidade de nos concentrarmos nas oportunidades que aparecem, e não nos eventuais problemas que surgem. Hoje em dia, as noções ensinadas por Peter Drucker podem parecer obviedades para alguns estudantes de administração, mas não era assim quando ele começou a escrever por volta da década de 40.

Até a próxima pessoal!

Source: Administração

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com